A civilização.

Nenhum comentário

Tinha planejado cada passo do meu dia, eu estava em uma cidade turística belíssima porem estava lá a trabalho, teria apenas um dia para visitar a cidade e no dia seguinte estaria voltando para casa, claro que nos cinco dias anteriores eu fiz algumas coisa visitei alguns lugares, mas não era os melhores lugares da cidade, então acordei cedo tomei um banho tomei um café rapto no hotel e fui par ao meu primeiro passeio.

Era um parque com floreste e farias esculturas e uma civilização antiga, feita em pedra ao ar livre, parece quo local também era um parque para aquela civilização, pois o parque já estava pronto apenas algumas reforma e coitados com grama e plantão e tornou uma lugar agradável para se fazer caminha ou passar um belo dia de primavera como aquele, passei lá toda a minha manhã olhando cada escultura e as ruínas de algumas casa da civilização antiga.

Ao final da manha fui no restaurante mas popular da cidade, ele tinha um prato que só era possível encontrar nele assim que soube que iria para aquele cidade reservei uma mesa para mim, o restaurante fica de frente para o parque, entrei na hora certa de minha reserva, era u8m local bonito com muitas referencia a civilização antiga que um dia viverá lá. Fui atendida na mesma hora e levada para a minha mesa, o salão era espaçoso havia um grande jardim ao lado de fora na parte de trás com uma fonte, onde havia mesas o local estava com todas as mesas ocupadas e pessoas esperançam no bar para se sentarem.

O garçom não demorou para vir pegar o meu pedido, e em meia hora estava comendo o prato mais delicioso que já experimentará em minha vida, nunca imaginara que alguém poderia fazer um peixe de forma tão maravilhosa como aquele, um molho de uma fruta local acida e outra levemente adocicada, legumes grelhados junto ao peixe, o prato era servido com uma sobremesa feita das mesmas frutas   do molho do peixe, um bolo feito com a fruta acida e recheado com a  doce, outra comida maravilhosa.

Sair do restaurante completamente satisfeito com a refeição que fiz, nunca havia comida algo tão saboroso como aqueles dois pratos, meu próximo objetivo era um templo antigo, que por algum motivo fora conservado igual durante quase três mil anos, era um local pequeno bonito porem não tinha nada de mais algumas esculturas como as do parque como aquelas representavam os deuses daquela civilização, me frustrei não tinha nada de novo ali.

Então segui para praia o passeio que mais queria fazer, um mergulho no belíssimo recife de corais, local onde era possível ver espécies únicas de peixes, porem para o passei acontecer era preciso de tempo limpo, e eu não conseguirá um horário par ao mergulho pela manha estava com medo de não conseguir fazer pois pelo o que havia percebido nos dias ali era comum chover no período da tarde, e quando reservei o meu horário fui avisada que se chovesse não poderia mergulhar, e claro fui exatamente o que aconteceu.

Bom fiquei no pequeno porto olhando as águas cristalinas do mar, as águas eram tão claras que mesmo da beirada do porto era possível ver os peixes e os corais, então um dos mergulhadores veio me chamar, um  homem alto musculoso pele  bronzeada olhos castanhos, cabelos negros e cumpridos presos em um rabo de cavalo, ele viu a minha frustração quando me avisou que ele iriam fechar e não haveria mais mergulhos naquele dia.

Ao perceber a minha frustração ele me convidara para visitar o aquário da cidade onde eles travam de animais ferido e mantinham lá aqueles que não sobreviveriam se voltassem para o mar, ele sabia que não seria a mesma coisa, mas poderia ver um pouco dos peixes do local.

O passei era uma compensação de algo que eu havia perdido, mas sem duvida eu estava mais satisfeita em estar ali, se estivesse mergulhando mesmo sento com ele, nos não estaríamos conversando, não estaríamos tendo um dia extremamente agradável pela companhia um do outro, na rouba de mergulho eu não teria percebido a beleza dele, seria impossível conversarmos.

Após passamos três horas no aquário e eu não sabia como fazer para n ao me separar dele naquele momento, ele me convidou para jantar, me levou para um outro local, próximo ao restaurante que fui no almoço, com uma comida tão boa quando a do primeiro devia ser uma espécie de lei a comida naquela cidade ser boa, pois a do hotel onde trabalhava era igualmente saborosa.

Quando saímos do restaurante ele me acompanhou até o hotel eu não queria me separar dele, não queria deixar a cidade no dia seguinte, foi ai que tive uma ideia louca, iria pedir transferência para a unidade nova de minha empresa que iria abrir na cidade, não falei nada para ele. Ele em liga quase todos os dias, trocávamos mensagem em nem um momento eu falei que iria me transferir para a cidade.

Então dois messes após nosso primeiro encontro eu cheguei no pequeno porto onde o barco de mergulho saia, ele me viu quando estava desembarcando, foi ate mim me abraçou com força de trocamos o primeiro de muito beijos.

 

ruins near tree
Foto por Anastasia Zhenina em Pexels.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s