Engarrafamento

Nenhum comentário

Estava feliz e empolgada, iria começar um novo emprego, acabara de me mudar comprei a minha primeira casa, um local pequeno dois quartos no andar de cima, uma sala aconchegante e uma cozinha, um bom quintal, era uma pequena casinha minha casa, aconchegante e bonita ideal para o que eu precisava no momento. Meu emprego novo era tudo o que eu queria, irá ser seria a gerente de um banco um grande banco.

Passara a semana antes de iniciar nos empregos estudando cada detalhe do banco estava estuada cada   todos os serviços, estava estudando cada tipo de investimento que o banco fornecia, queria começar sabendo cada detalhe mesmo sabendo que o antigo gerente iria estar lá comigo no meu primeiro mês, queria passar por aquele mês sem precisar da ajuda dele.

No dia anterior ao início do meu trabalho fui dormir mais cedo, fiz uma refeição leve acordei meia hora antes do necessário deixei tudo pronto no dia anterior não podia correr o risco de que acontecesse qualquer tipo de imprevisto que me fizesse atrasar ou esquecer algo. Tomei um banho rapto, me arrumei fiz o meu café bem simples algumas coisas já haviam deixadas prontos na noite anterior, sair de casa, mas cedo que o necessário também, não sabia como era o transito nesta nova cidade não queria nem um tipo de surpresa.

Claro que não pode controlar tudo o que aconteceu, quando estava seguinte pela avenida que cruzava a cidade, estava a cerca de 20 minutos do banco, eu não sei bem o que aconteceu mas de repente o carro na minha frente parou e começou a dar ré, eu tentei frear no mesma hora, eu não tinha como desviar o caro, porém não conseguir, meu carro entrou na traseira do outro com força, sentir o baque do carro de atrás entrar na traseira do meu.

Eu fiquei confusa, ouvia pessoas gritando, luzes e muito barulho, eu tentei soltar o meu cinto, conseguir solta-lo tentei abrir a porta com a outra mão quando movi esta mão sentir uma dor horrível, senti um forte enjoo, apaguei, eu acordei não estava mais no carro, estava em uma maca, alguém falava comigo, estava em movimento ainda estava muito barulho, muitas vozes ao meu redor, tentei me mexer mais uma vez não conseguir estava presa na maca, porem quando tentei me mexer sentir novamente a dor apaguei mais uma vez.

Acertei novamente na ambulância um para médico falava comigo eu não sei o que respondi, as dores estavam mais leves, o único barulho que ouvia era o som da sirene da ambulância, alguma coisa me incomodava tentei me mexer mais uma vez, mais uma vez sentir uma forte dor o enjoo novamente.

Chegamos no hospital alguém falou o nome do banco no qual iria trabalhar, me agitei ao me lembra meu primeiro dia no trabalho, tentei me mexer nova movimente desta vez fiz o movimento  mais brusco e rapto queria me levantar na maca a dor foi muito mais intensa e forte desta vez, ouvir o meu grito de dor alguém me segurou um médico pediu por algo,  apaguei mais uma vez.

Tive pequenos lapsos do que estava acontecendo ao meu redor no hospital, consciências de pequenas conversas com os médios e enfermeiras, não conhecia minguem naquela cidade ainda, o meu vizinho da frente falou comigo uma ou duas vezes, os vizinhos do lado falaram comigo quando cheguei, então quando reconheci uma voz sabia que era de uma deles, mas por que estariam ali.

Eu só acordei para vale na manha seguinte, por que o analgésico estava perdendo o efeito eu sentia o meu corpo todo doendo, mas conseguia pensar conseguia me lembrar por que estava ali, sabia que médicos me falaram exatamente quais eram os meus ferimentos porem não me lembrava de nada que eles falaram. Sentir algo enrolado em meu peito a dor que sentia quando me mexia vinha de lá, minha cocha esquerda também estava enfaixada, tentei levantar a cabeça para ver porem fiquei tonta.

Alguém colocou a mão em meu braço falou comigo disse para ter calma, conhecia a voz o vizinho da frente, ele estava de jaleco era medico isto explicava por que eu o vi varias vezes ao meu lado, estava consciente consegui perguntar o que acontecera, ele me explicou com paciência cada ferimento que tive, nem um era muito grave, porem estavam preocupados com a minha cabeça pois fiquei muito confusa e perfilha a consciência o tempo todo, então eu iria fazer mais exames aquela manhã, eu disse que sentia muita dor ele me deu outro analgésico dor mi novamente.

Acordei algumas horas depois, estava sozinha no quarto, a tontura passara a dor era aceitável a ferimento no meu peito era o que mais doía, estava com uma leve dor de cabeça também. Uma enfermeira entrou para me preparar para os exames. Ela me contou o que aconteceu a carroceria de uma caminhão se soltou sete carros baterão por conta dela, cinco engavetados eu tive a sorte de um carro que tentou desviar de um que entrou na contra o meu bater na lateral do meu na minha porta, foi isto que causou a maior parte dos meus ferimentos, quando voltei do exame o médico estava lá me esperando.

Eu achava que ele estava lá pelo o trabalho mas quando a enfermeira deu bronca nele que o plantão dele tinha acabado e que ele deveria ir para casa, ele deu o belo sorriso dele que me encantou no dia que eu o conheci, ele estava lá para me dar noticias do banco ele se lembrara que aquele seria o meu primeiro dia de trabalho então, fez questão de ligar e avisar o que houve, conversamos por algum tempo.

Eu liguei para meus pais minha mãe estava preocupa, mas só conseguia passagem de avião para o final de semana. Ao saber disto meu vizinho passou a ir em meu quarto todos os dias conversávamos por algumas horas a cada conversa ele se tornara mais encantador, a cada conversa me apaixonava mais por ele.

Sai do hospital uma semana depois, fiz mais exames para saber se estava tudo bem a minha confusão no dia do acidente deixara os médicos preocupados e como lesões no cérebro as vezes levam um tempo para aparecer eles me deixarão lá em observação por uma semana como não tive mais dores de cabeça e os novos exames estavam bem pode sair sem problemas.

Mesmo com minha mãe lá comigo  meu vizinho ia ate o meu quarto me ver, ele não era o me medico na verdade ele era pediatra, depois que fui para casa ele ia me ver todos os dias também, então aquele não foi o meu primeiro dia de trabalho, este foi dois messes após o acidente, aquele foi o dia que me apaixonei pelo o amor de minha vida.

vehicles and people on road
Foto por Aleks Magnusson em Pexels.com
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s